COLETÂNEA CENA INDEPENDENTE #7 – JULHO/2012

Capa de Douglas Feer

A coletânea Cena Independente chega à sua sétima edição trazendo 16 faixas com aquilo que vem sendo produzido de mais bacana em 16 estados brasileiros. Idealizada e organizada pelo FUGA Underground, 16 blogs especializados participam da curadoria de forma livre. No fim do mês, todos eles publicam e difundem a mixtape em seus próprios espaços para ampliar seu alcance. Além disso, todo mês um desses blogs fica encarregado da elaboração da arte da capa por um artista de sua região. Nesta edição de julho, Douglas Feer foi convidado pelo Ignes Elevanium para a tarefa. Não deixe de conferir outros trabalhos do designer em seu site oficial.

Como representante do Rio Grande do Norte na mixtape, nesse mês o FUGA destaca o trabalho solo de Tampinha, Arthur R., vocalista e guitarrista d’Os Bonnies, que paralelamente ao trabalho com a banda, vem experimentando outras sonoridades, compondo e registrando de forma despretensiosa seu material solo – em parte publicada em seu blog. No ano passado, ele juntou algumas dessas faixas em um disco: Li-Mo-Na-Da (que você pode baixar lá no Hominis Canidae, outro de nossos parceiros). Seguindo uma linha similar à banda principal, Sunshine é uma de suas gravações mais recentes e a segunda a ganhar clipe.


RIO GRANDE DO NORTE: FUGA Underground
Arthur R. - Sunshine
rock psicodélico
Para quem gosta de: The Sonics e Beach Boys

Sem se apegar a um estilo específico, a mixtape deste mês começa agrandando fãs de Radiohead com a banda viral do mês, passa pela mpb com algum indie rock e instrumental/experimental lá pelo meio e acaba com hardcore, punk e metal na metade final.

Ouça a coletânea completa:


ADVERTÊNCIA: Este material não deve ser comercializado. Ele foi produzido com fins estritamente promocionais.

Quer tornar seu blog o representante de algum dos estados fora da lista? Entre em contato pelo mixtape.cenaindependente@gmail.com

A seguir você encontra detalhes sobre cada faixa da mixtape #7:


PARAÍBA: 
Atividade FM
Grandphone Vancouver – It All
alternative
Grandphone Vancouver é o projeto de TCC do Fernando Ventura, estudante de Arte e Mídia na UFCG, e também músico. Para finalizar seu curso ele preparou um lançamento de um clipe para a música Miss Me, que acabou se tornando um viral. Em breve, estará lançando o EP When The Echo Returns, pelo selo Vigilante. A sonoridade da banda lembra um pouco o trabalho dos britânicos do Radiohead em seus primeiros álbuns.
Para quem gosta de: Rieg, Gauche, City and Color


PARANÁ:
Defenestrando
Audac – Distress
indie/electro/trip
A mistura de uma guitarra para lá, um sintetizador para cá, um baixo hipnotizante e uma dupla feminina nos vocais sussurrados do Audac há de fazer marmanjos e garotas ficarem de pelos arrepiados. Após algum tempo sumido, o grupo liderado por Débora Arobed e Alyssa Aquino ressurge com nova formação (Pablo Busseti na bateria e Alessandro Oliveira, ex-Copacabana Club, na guitarra) caindo já de cara nas graças do blogueiro Lúcio Ribeiro: em agosto o Audac se apresenta no Popload Gig, abrindo para os australianos do Tame Impala.
Para quem gosta de: Portishead, Sneaker Pimps


BAHIA: el Cabong
Nana – Expressionismo Alemão
chanson/neo-bossa/dream-pop
Numa Bahia que sempre coube de tudo, há essa garota ruiva, alvíssima, tímida, que morou na Rússia e decidiu que ia viver de música. Nana canta, toca piano, teclado e escaleta, faz programação e cria uma música doce, carregada de poesia e leveza. Com um EP gravado e preparando o primeiro CD, ela traz um imaginário entre o lúdico e o onírico que passa por montanhas russas, filmes thecos, piscas piscas de natal e o pôr-do-sol de Salvador.  
Para quem gosta de: Stereolab, Serge Gainsbourg, Brigitte Bardot, Tom Jobim


MINAS GERAIS: Meio Desligado
Iconili – O Rei de Tupanga
afrobeat/jazz/alternativo
Em nova fase na carreira (agora com oito integrantes), a Iconili prepara novo CD, do qual O Rei da Tupanga é a primeira amostra. O som instrumental da banda une batidas africanas, jazz e experimentações psicodélicas e resulta em uma das maiores apostas da nova cena mineira.
Para quem gosta de: Bixiga70, Mulatu Astatke, Jaga Jazzist


RIO DE JANEIRO: RockinPress
People I Know – Brazil 3
eletrônico/mininal/downtempo
Antes do SILVA e o Mahmundi tomarem a internet brasileira como fizeram, lembrem-se que eles tiveram um outra mente para ajudar e pontuar o som que eles produzem. Esse rapaz se chama Lucas de Paiva e é a intercessão entre o indie-eletrônico e a mpb produzido pelos jovens citados. O trabalho é instrumental e eletrônico, mas conserva os detalhes orgânicos que tornam seu trabalho tão elogiado, como mostra Brazil 3 e seus assobios próprios para cachorro em cima de uma batida seca e repetitiva.
Para quem gosta de: Mahmundi, SILVA, David Guetta


Mato Grosso: Factóide!
Maria Albina – Café
pop rock
O EP Café foi uma surpreendente evolução da banda Maria Albina, que mostra o amadurecimento de seus membros como músicos e como pessoas, a música título é uma grata surpresa, e ainda tem um leve toque country que tem marcado as produções mais novas daqui de Cuiabá.
Para quem gosta de: Soulstrippera Beatles


Dead Leaves – Sweet Cida
rock/pop/blues
Para darmos o ponta pé inicial nesse projeto, escolhemos a banda Dead Leaves, que nasceu em 2004 aqui em Fortaleza. Como eles mesmos dizem “criam e recriam” a sonoridade, mas nunca deixam de lado o rock cru e simples das bandas de garagem. O quarteto George Alexandre, Humberto Kelvin, João Luiz e Lara Viana já tem 3 EPs na bagagem.
Para quem gosta de: Verónica Decide Morrer, The Libertines, The Strokes


SÃO PAULO: Move That Jukebox
Looking For Jenny – Is It A Photon In My Hair
lo-fi/noise/shoegaze
Com a responsabilidade de ser o 50° lançamento do ótimo selo carioca Transfusão Noise Records, o quarteto paulista Looking For Jenny plugou as guitarras e despejou meia dúzia de canções distorcidas e vibrantes em seu novo EP, Monkey Rudiments. As influências do lo-fi, do shoegaze britânico e do noise rock americano são escancaradas a cada acorde. Ou seja, se você curte Pavement e Dinosaur Jr, pra ficar só nos mais óbvios, não deixe de se entusiasmar com o Looking For Jenny, a novidade mais barulhenta e empolgante de São Carlos.
Para quem gosta de: Dinosaur Jr., My Bloody Valentine, Yuck


PERNAMBUCO: Altnewspaper
Eu O Declaro Meu Inimigo – Evolução ao Contrário
punk rock/hardcore/trash
A banda Eu O Declaro Meu Inimigo é do Recife e lançou nesse ano o seu primeiro registro oficial chamado Música Pode Ser Perigosa. O disco tem 12 faixas e pode ser baixado gratuitamente no bandcamp do grupo. O grupo foge um pouco da sonoridade da maioria das bandas punk/ hardcore da atualidade e resgata aquela sonoridade dos anos 80 unidos ao barulho do trash mais atual. A faixa Evolução ao Contrário é um bom exemplo das influencias deles e do que eles querem passar como mensagem. Após oito anos de submissão, agora é a vez deles descobrirem e mostrarem o que é diversão de verdade...
Para quem gosta de: Ratos de Porão, D.R.I, Vitamin X


ESPÍRITO SANTO: Ignes Elevanium
Merda – Nem Todo Brasileiro Que Gosta de Futebol Gosta do Neymar
hardcore/punk
O Merda já está na estrada, porões e na mente dos jovens libertinos há um bom tempo, misturando críticas sociais, muito humor e um monte de tranqueiras que as pessoas comuns costumam descartar. Na sua formação temos integrantes de bandas como Mukeka di Rato, Zémaria, Morto Pela Escola, The Barlfly Surfers e Os Pedrero. Ou seja, o resultado só poderia dar em Merda, a banda mais esculachada de boa de Vila Velha e que vem neste ano com o Índio Cocalero, do qual retiramos o single Nem Todo Brasileiro Que Gosta de Futebol Gosta do Neymar.
Para quem gosta de: Mukeka di Rato, Os Pedrero, Morto pela Escola


Dry Bones Valley – Surrender
metal
O Dry Bones Valley é um grupo recém formado que toca metal, como está no release da banda "Metal pesado, maloqueiro e sem dever nada pra ninguém" e é bem isso mesmo. A banda está divulgando seu auto-intitulado EP de estreia, mixado e masterizado por Geovani Maia (Estúdio Phantom), produzido pelos próprios integrantes e gravado de maneira 100% caseira dentro do quarto do baterista. Para a mixtape desse mês indico a música Surrender que é a mais 'de boinha' pra não assustar os que tem ouvidos sensíveis, mas vou logo avisando é metal fióte \,,,/.
Para quem gosta de: Todo tipo de som pesado


ALAGOAS: Sirva-se
Coffeeshop  - Algumas Cervejas e Uma História
hardcore melódico/alternativo
Uma banda com pouco mais de um ano, mas com várias conquistas, fruto de um trabalho focado e decidido. Nesse pouco tempo já puderam tocar fora da cidade, gravar um split-cd virtual e participar de vários eventos por aqui. A música Algumas Cervejas e Uma História faz parte da lista de sons da primeira gravação e deve ganhar um vídeo clipe logo menos.
Para quem gosta de: Noção de Nada e Zander


Delinquentes – Formigueiro Febril
hardcore/punk
Com 27 anos de carreira, o Delinquentes é banda de referência na cena roqueira paraense. Tendo à frente o respeitado Jayme Katarro - fundador e único integrante da formação inicial - eles lançaram no primeiro semestre de 2012 o EP Formigueiro Febril pelo selo Takakaos Records. A formação atual traz ainda Pedro Bernardo (guitarra), Pablo Cavalcante (baixo) e Raphael Lima (bateria). O EP antecedeu o Dia D, show de gravação do primeiro DVD da banda, ainda em processo de finalização.
Para quem gosta de: Ratos de Porão, Inocentes, Rammstein, Sex Pistols


MARANHÃO: Shock Review
Garibaldo e o Resto do Mundo – Mulheres de Salto
rock/pop/alternativoGaribaldo e o Resto do Mundo nasceu em São Luís em 2009. Em 2010 saiu o disco de estreia da banda, com oito faixas que vão do pop ao experimental. Ainda em  2010 o disco e a banda foram indicados em duas categorias do prêmio da rádio universitária do Maranhão: “Revelação” e “Melhor CD de pop-rock”. Atualmente, a banda tem se dedicado à pré-produção do segundo disco que começa ser gravado em setembro desse ano e, provavelmente, será lançado ainda no segundo semestre de 2012. 
Para quem gosta de: Pato Fu e Brendan Benson


PIAUÍ: Uptune
Estro – Alegria do Sorriso
indie rock
Inspiração, entusiasmo poético ou artístico, riqueza de imaginação. Estro, começou de um projeto de dois amigos, Rodrigo Gondim e Felipe Barros, que colocaram suas composições na internet e perceberam que aquilo podia da certo. Um tempo depois convidaram Lucas Gaspar para a bateria e Neto Carvalho para a guitarra, o que deu uma nova roupagem para a banda. Sentimentos refletidos em canções.
Para quem gosta de: Chico Buarque, Jack Johnson, Bob Dylan